É hora de mais um dos #ContosDaBruxa 👻 🕷 Hehehe!

“Em janeiro desse ano, sonhei que uma aranha pulava na minha boca, e quando eu tentava tirá-la, ela me picava!

Depois disso, tornou-se cada vez mais frequente a presença de aranhas pela casa.

Não bastasse isso, as aranhas passaram a me perseguir na casa de amigos! Era só eu ficar sozinha por um minuto… E tchan! Uma aranha aparecia, como que me dando um alô!

Achei estar sendo seguida por um espírito maldito, então fiz banimento e pedi à deusa que me desse um sinal dela.

No dia seguinte… Mais aranhas! Sonhei e acordei com uma no meu teto! Que horror! Eu, que já tenho horror a aranha, passei a ter palpitações no coração! Que desespero!

Conversei com uma amiga bruxa e ela me passou um novo ritual de banimento. Mais potente! Chamei Hécate e pedi que me desse sinal dela. De forma intensa, para que eu soubesse que estava protegida! Bem… Sonhei de novo com aranhas. Grandes. Felpudas. Aquelas bem gordas, patudas! Socorro!

Então, num ato de desespero, eu apelei para a violência. Passei a matar todas as aranhas. Elas sumiram. Também parei de sentir a presença de Hécate. Costumo chamar a face Enodia para me auxiliar… Mas ela não veio mais. Por isso, Rosea, te mando esse email. Poderiam as aranhas serem sinal de Hécate? Porque lembro que, antes de esses sonhos começarem, eu pedi à Enodia que se fizesse muito, muito presente!”

E foi assim que, numa jogada de Tarot, descobrimos que era, realmente, Hécate. A moça pediu que Hécate se tornasse presente novamente, mas sem aranhas. Ela ainda vê as aranhas, mas só no sonho. E voltou a sentir Hécate, em sua face Enodia, que é quem costuma chamar.

Hehehehehehehehehe… 

 

Quer me contar sua história? Só mandar para o meu e-mail: oficinadasbruxas.odb@gmail.com

 

Até a próxima!

 

Autor: Rosea Bellator
E-mail: oficinadasbruxas.odb@gmail.com
Youtube: Canal Oficina das Bruxas

 

Quer ajudar o blog a seguir com mais e mais publicações?

Vem conhecer o PADRIM << só clicar!

 

Atenção: A reprodução parcial ou total deste texto é proibida e protegida pela lei do direito autoral nº 9610 de 19 de fevereiro de 1998. Proíbe a reprodução ou divulgação com fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na internet, sem prévia consulta e aprovação do autor.