“Quando trabalhei no Teatro, há uns 15 anos atrás, eu cheguei a ver uma aparição!”. Hoje vou contar a história de uma amiga maravilhosa e sua aventura com A Bailarina no Teatro! Vamos para mais um episódio dos #ContosDaBruxa 👻 

Eu precisei substituir uma das faxineiras. Ela sempre limpava o palco, as cadeiras e lá onde ficam as luzes. Peguei minhas coisas e avisei que estava indo lá. Dedicada, não perguntei nada.

Lembro que tudo começou com uma menina chorando. As meninas, bailarinas, ficam lá no palco, treinando. Às vezes se machucam, é normal. Só que aquele choro não parava. Eu tenho uma filha, e ouvir o choro me cortava o coração. A insistência me fez parar e olhar lá embaixo. Ela ajeitava a sapatilha. Os cabelos lindos, amarrados no alto da cabeça! Um vestidinho azul, mas diferente. Parecia antigo. Eu entendia não bem, nunca tive muita instrução, então pensei que fosse só eu sendo enxerida. Voltei ao trabalho.

Estava limpando as luzes, quando o choro ficou mais alto. Eu olhei de novo. Ela mexeu a cabeça rapidinho. Devia estar me observando. Respirei fundo e pensei: deve ser uma das que não foram escolhidas para a apresentação. Tadinha. Vou lá pedir para ela ir pra casa e se cuidar.

Terminei tudo e desci. Fui lá limpar as cadeiras do público. A bailarina, sentada no chão, de costas pra mim, chorava. Fingi que não estava vendo nada, e aí ela falou comigo! “Tia, deixa eu ficar mais um pouco… Não vai me expulsar, vai?”. Uma voz triste! Falei que não ia expulsar, só que, se ela tinha se machucado ou se não tinha sido escolhida, era só se cuidar, treinar, que daria certo. Ela respondeu “Não, nunca vão me ver. A professora disse que não tenho cara de bailarina. Sou patética”. Quando ela disse aquilo, fiquei brava! Não se deve falar assim com ninguém! Aquela menina devia estar muito mal!

Larguei minhas coisas e fui lá para dar um abraço nela. Subi um degrau e ela se levantou, virou para mim! Percebi que ela não tinha rosto! Não consegui gritar, só gelei! Ela dançou, disse que ia ouvir meu conselho. Parou e saiu pela cortina no fundo. Corri pra ver, mas ela tinha sumido. Nunca mais eu quis limpar o palco.

 

Quer me contar sua história? Só mandar para o meu e-mail: oficinadasbruxas.odb@gmail.com

 

Até a próxima!

 

Autor: Rosea Bellator
E-mail: oficinadasbruxas.odb@gmail.com
Youtube: Canal Oficina das Bruxas

 

Quer ajudar o blog a seguir com mais e mais publicações?

Vem conhecer o PADRIM << só clicar!

 

Atenção: A reprodução parcial ou total deste texto é proibida e protegida pela lei do direito autoral nº 9610 de 19 de fevereiro de 1998. Proíbe a reprodução ou divulgação com fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na internet, sem prévia consulta e aprovação do autor.