Tem #ContosDaBruxa ! 🍄 Hihihi…

A leitora Andrea (nome fictício) foi morar numa ilha japonesa, e como a comida brasileira lá é cara, teve que começar a se acostumar a comer o que tinha disponível. Com o tempo, pegou gosto pelos cogumelos. Inventou torta, salgadinhos, cozidos, tudo de cogumelo… E como tudo que é demais, enjoou. Precisava de novos desafios. Passou a experimentar novos tipos de cogumelos.

Certa vez, irritada por não achar mais nada diferente no mercadinho, pensou em economizar e pegar algo no mato, pelos bosques.

No primeiro dia, não achou nada interessante. No segundo, só os mesmos cogumelos do mercadinho. No terceiro dia, ela fez uma promessa a uma santa. Disse que se conseguisse, faria uma oferenda com a comida feita. Aquela loucura a levou a se enfiar mais fundo no bosque, até depois de uma placa que dizia não ser bom passar dali.

Ah, mas ela achou! Um cogumelo bonito, com cara de que ficaria bom com algumas verduras e talvez arroz. Não foi gulosa de pegar todos, mas encheu as mãos e voltou para casa, triunfante.

Feito o cozido, fez a oferenda para a Santa e foi jantar. O marido achou o cogumelo estranho e achou melhor ir comer outra coisa. Ela comeu. Que gostoso!

Foi dormir e teve sonhos muuuuito loucos! No meio de uma bagunça de cores, sons, personagens de livros e uma zona de cenários, ela viu a santa, que dizia que a hora dela ainda não tinha chegado.

Andrea acordou no hospital, 2 dias depois. A enfermeira dizia que ela ria enquanto cuidavam dela. Disse que quem comia aquele cogumelo costumava nem voltar a acordar…

 

Eeiiitaaaaaaa! Cuidado com essas comidas, gente! Ps: kkk curiosa com a santa e o cogumelo kkkk

 

Quer ajudar o blog a seguir com mais e mais publicações?

Vem conhecer o PADRIM << só clicar!

 

Autora: Rosea Bellator
E-mail: oficinadasbruxas.odb@gmail.com
Youtube: Canal Oficina das Bruxas

 

Atenção: A reprodução parcial ou total deste texto é proibida e protegida pela lei do direito autoral nº 9610 de 19 de fevereiro de 1998. Proíbe a reprodução ou divulgação com fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na internet, sem prévia consulta e aprovação do autor.