Tem #ContosDaBruxa 👻✨ E vamos ver uma historinha da leitora Mônica D.!


“Quando eu era criança, volta e meia eu sonhava com um castelo no meio de uma névoa. Eu não sei onde era, nem sei especificar muito dele, mas era escuro por fora, e iluminado por dentro. As luzes que saiam de dentro dele parecia um farol… Sinistro e bonito ao mesmo tempo.

Eu sempre entrava, passeava, via meus parentes por lá, fofocava com umas crianças sobre a vida dos adultos, comia coisas deliciosas e acordava quando via meu avô. Apesar de meu avô ter morrido antes de eu nascer, eu o via mais velho do que nas fotos de família.

Os anos passaram e o castelo sumiu.

Um dia, num almoço de família, cada um contando algo de legal da vida, eu resolvi falar disso. Todo mundo ouviu, acharam legal e tal, beleza. Depois de comer, fui deitar um pouco. Minha avó veio atrás de mim. Perguntou mais do castelo. Ela tava com uma cara meio séria… Falei do que lembrava, que também não era lá essas coisas. Ela ficou vermelha quando ouviu que eu acordava quando o vô aparecia. Perguntei o que estava rolando. Minha vó sempre foi muito de boa com tudo, sabe? Mas na hora ela ficou brava e disse que eu estava exagerando. Ok. Aceitei, né?

De noite, ela vem de novo. Falou que precisava falar sobre o castelo. Falou que meu avô fez umas coisas na juventude e que era doido pra ter um castelo e por a família toda lá, mas nunca abriu isso com ninguém além dela. Como que eu via ele no sonho? Como eu via o castelo? Não sei. Aí minha vó pediu pra eu esperar uns dias que ela ia num centro espírita tentar contactar o espírito do vô. Depois iria me contar mais.

Porém, minha vó faleceu no dia seguinte. Teve um infarto enquanto dormia. E eu tô aqui sem entender nada. Um mistério que vou ter que carregar ou tentar esquecer.”

👀 Gente? 🆘

Até a próxima!

 

Quer ajudar o blog a seguir com mais e mais publicações?

Vem conhecer o PADRIM << só clicar!

 

Autora: Rosea Bellator
E-mail: oficinadasbruxas.odb@gmail.com
Youtube: Canal Oficina das Bruxas

 

Atenção: A reprodução parcial ou total deste texto é proibida e protegida pela lei do direito autoral nº 9610 de 19 de fevereiro de 1998. Proíbe a reprodução ou divulgação com fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na internet, sem prévia consulta e aprovação do autor.