Não consegue ter seu altar em casa por que a família não deixa? Por que não tem condição financeira? Por que não tem privacidade? Por que mexem e não te respeitam? Seja lá qual for o motivo de você não conseguir ter um altar e quer muito manter um local só seu, vem aprender a fazer um altar astral. Sim, é possível!

o altar astral rosea bellator

O altar astral trabalha muita visualização, então, se você tem dificuldade, recomendo que treine muito sua meditação, por pelo menos 40 minutos por dia criando cenas e imagens na sua cabeça, pra poder criar o altar astral.

Mas antes, algumas coisa que precisa saber.

Se tem como usar um altar astral, então porque diabos eu teria um altar físico? Primeiro: acessar o plano astral não é tão simples, então alguém só irá até lá se precisar. Alguém aí lembra da Santa Inquisição? Pois bem, esse não foi o único caso de perseguição contra quem usasse magia, ou apenas não acreditasse na religiçao vigente da época ou país. Tem gente que sofre com os familiares, que tudo pensam ser coisa do diabo. Nesses casos o Altar Astral vem para ajudar.

O Altar Astral vai ser perfeito para mim, pois não posso ter um altar físico em casa! Posso fazer rituais no altar astral? Ou feitiços? Meditações? Invocações? Poder, pode. Mas você gasta muita energia somente para visualizar  altar astral, então imagine o quanto gastará para fazer qualquer atividade nele. Exige a mente muito treinada. Exige muito de você antes de chegar lá preparações de postura, de respiração, de controle emocional. Rituais que exigem muitas energias de ervas, ou algo como sexo, oferenda, coisas que você não tem como oferecer sozinho, será ainda mais difícil. E terá que ser feito de alguma forma depois. Por exemplo: Se o ritual pede algum tipo de oferenda, termine-o normalmente. Volte para o plano físico e depois vá dar um jeito de fazer uma oferenda e deixá-la em algum lugar. Se pedir queima de ervas, por exemplo, no meio do ritual, tente ao menos tê-las com você, segure-as, ou deixe bem pertinho, enquanto medita/vai visitar o Altar Astral. Depois de terminar o ritual, queime de fato, as ervas.

Poxa, então o Altar Astral é em caso de necessidade mesmo? É.

O Altar Astral

Prmeiro Passo: Preparação

Encontre um canto tranquilo. Pode ser na sua casa, pode ser num hotel, pode ser na casa do amigo, pode ser no quintal, na floresta, no campo, onde você estiver e que esteja em paz.

Se você tem facilidade para visualizar e acessar sua mente, e assim acessar o astral, ótimo. Caso não tenha, sugiro que antes de começar – reforçando o que eu disse antes – treine sua mente. Aqui você vai precisar de muita calma.

Caso possa acender um incenso, ou colocar um som ambiente (como de chuva  ou de passarinhos na floresta), acender uma vela, usar um amuleto de proteção, ou qualquer outra coisa do tipo, pode fazer, sem problema. Caso não possa fazer nada disso, pois não dispõe de nada disso, sem problema também.

Sente-se de maneira confortável, seja em sua poltrona ou no chão. Controle o sua respiração, tranquilize o coração e desacelere os pensamentos. Evite pensar em qualquer coisa. Vá fechando os olhos…

Segundo Passo: Buscando o Altar Astral

De olhos fechados, comece a vagar. Alguns vão se ver vagando pela floresta, outros pelas areias do deserto, alguns podem se ver mergulhando no fundo no oceano, ou por qualquer outra trilha…

Siga confiante, comece a chamar e a visualizar seu altar. Ele será da maneira que você quer, que você o vê. Pode ser um suntuoso altar no Egito, cheio de objetos de ouro, pode ser um simples altar no meio de uma floresta, perto de uma clareira, pode ser mais escondido, numa caverna. Ou pode ser simplesmente na sua casa, onde você gostaria muito que fosse.

Terceiro Passo: Acessando o Altar Astral

Agora veja-o tomar forma. O que você precisa estará lá. Apenas visualize e terá. Athame, caldeirão, vestimentas, sino, estátuas… Toque. Dê vida e detalhe para cada coisa. Se você conhece seu animal de poder, seus guardiões, é bem possível que consiga vê-los.

Quanto mais detalhe, mais real. Quanto mais você entra nessa visualização, mais você vai conseguindo acessar seu astral. Lembre-se: relaxe, paciência, sem pressa.

Não se preocupe em visualizar algo que não vai usar. Não perca tempo e muito menos energia. Se só veio até o Altar Astral para ter seu ambiente para fazer um simples ritual – como uma dança e cantos – para seus deuses, então não há necessidade de visualizar, por exemplo, varinhas, estátuas, baralho, etc.

Fazendo um Ritual junto do Altar Astral

Lindo! Você já sabe como acessar seu Altar Astral! Agora que tal fazer um ritual lá?

Digamos que seja um ritual simples, onde você só acenderá algumas velas e aí vai cantar, ou dançar, ou recitar alguma poesia, agradecer e fim.

Depois de toda visualização para ver o altar, crie as velas. Somente o necessário – lembre-se: tudo consome sua energia e tempo. Ah, você quer que tenha incensos também? Pois visualize-o sinta seu cheirinho. Isso é importante. Detalhes são importantes. Agora faça o que tem que fazer. Ore, fale com seus deuses, deusas, guardiões, ou quem for. Uma coisa importante: não se esqueça de fazer o círculo antes de fazer o ritual e desfazê-lo depois de terminar. Está feito.

Agora… digamos que seja um ritual um pouco mais complexo. Como queima de ervas e deixar depois uma oferenda.

Depois de toda a visualização para ver o altar, crie o que for necessário, como caldeirão, velas, incensos, athame, etc. Crie o círculo. Faça tudo que tem que fazer, seja orar, seja recitar um encantamento, dançar, conversar com seus guardiões, o que for. Chegou a hora da queima de ervas.

Visualize-as, erva por erva. Digamos que você vai queimar louro e cravo no caldeirão. Então busque primeiro uma erva, jogue no caldeirão, depois busque a outra erva. Pode surgir do nada em suas mãos, pode ter um pote com suas ervas. Aí vai da sua criação.

Lembra-se do começo do texto? Onde digo assim “Se pedir queima de ervas, por exemplo, no meio do ritual, tente ao menos tê-las com você no plano físico, segure-as, ou deixe bem pertinho, enquanto medita/vai visitar o Altar Astral. Depois de terminar o ritual, queime de fato, as ervas“. Pois bem… Depois de feito o ritual, queime as ervas. Nem que seja horas depois, nem que seja no dia seguinte, mas faça. Evite demorar mais do que isso.

Enfim, ritual feito, você agradeceu a presença daqueles que invocou. Desfez o círculo,  fez o caminho de volta para casa, para seu corpo, para o plano físico. Abra os olhos!

Lembra que nesse ritual tinha que fazer uma oferenda?

Vá fazê-la. É um jantar? Faça com todo carinho para sua família, doe para uma pessoa que mora na rua. É um copo de vinho ou flores para a lua? Pois compre vinho ou flores, ofereça à lua antes de dormir. É para acender uma vela na praia? Vá. Não importa o que é que precisa fazer de oferenda, assim que terminar o ritual no Altar Astral, faça tranquilamente.

E para fazer um feitiço ou meditação, ou mesmo oração?

Esses são assuntos mágicos mais simples do que um ritual. Assim como o ritual, se precisar de qualquer coisa, crie, visualize. Se precisar queimar ervas, queime aí e depois dê um jeito de queimar no plano físico também. Vá com o coração aberto e use toda sua criatividade.

Mais uma ou duas coisinhas

Tem pessoas que nada sentem nesses rituais. Não sentem conexão com nada, não desperta nada em seus espíritos. Ou que simplesmente não conseguem. Até tentam, treinam a visualização, mas não conseguem. Nesses casos, queridos, é uma dificuldade, um bloqueio bem grande, de acessar o astral… ou simplesmente o que você precisa fazer – principalmente rituais – precisa ser feito no plano físico.

O Altar Astral é ótimo para quem está longe de casa (e acaba vendo seu altar no mundo astral, o mesmo que possui em casa), para quem não pode ter um altar em casa e deseja muito ter um, é ótimo para ter seu local de total segredo, mas não é simples. Infelizmente.

E é isso. Espero que tenham gostado 😉

Até!

Autor: Rosea Bellator
E-mail: oficinadasbruxas.odb@gmail.com

Atenção: A reprodução parcial ou total deste texto é proibida e protegida pela lei do direito autoral nº 9610 de 19 de fevereiro de 1998. Proíbe a reprodução ou divulgação com fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na internet, sem prévia consulta e aprovação do autor. 

Quer ver outros posts? Clique nos seguintes links: