mulher helga maia

Mulher

 Mulher é feita
De amor e vaidade
Nunca quer pela metade
Só quando veste minissaia!

Mulher procura a verdade
Com ilusões de adolescente
Diz não querendo dizer sim
Pra entender sua vontade!

Mulher gosta de janela
Não por ser feita de costela
Nem por hábitos maledicentes
Mas pra poder ouvir a Lua!

Mulher gosta de contato
E, nem sempre, faz teatro
Gosta de tirar retrato
E, mesmo triste, fala ‘xisssss’!

Mulher sorri e chora
Com a mesma intensidade
E, se a ama de verdade,
Vire-se e a faça feliz!

Mulher é bruxa e faz magia
Seja noite ou seja dia
No quarto e na cozinha
Decifre-a, se for capaz!

Mulher é fácil de entender
Basta perguntar por que
E também querer dizer
O que diz seu coração!

 mulher as bruxas

 As Bruxas

Bruxas são mulheres cujas vassouras e colheres de pau
São fortemente atraídas pela força gravitacional da Lua,
Varrendo entulhos e benzendo o chão,
Curando e alimentando com mãos de Mãe Natureza.

Bruxas oram e agradecem na Lua Nova,
Reciclam-se e semeiam a terra na Lua Crescente,
Fecundam e parem na Lua Cheia,
Repousam e banem o mal na Lua Minguante,
E amam e adoram em todas as Luas.Bruxas ardem como fogo,
Clarividenciam como água,
Dançam como ar,
E sonham como terra.

Bruxas cochicham e sorriem, faceiras e curiosas
Dentro da alma de cada mulher
Que teima em renegar sua herança ancestral
Abafada por antolhos retalhados de batinas
Chamuscadas por fumaça inquisitória.

mulher  Sou XX, e daí?

Vou encher de flocos de espuma
As almofadas azuis de estrelas
Depois costurar tudo direitinho
Com zelo de artesã nordestina
Também quero escrever um livro
E plantar um pé de feijão
Eu preciso falar!
Pra poder entender que é mesmo vida
Isso que eu chamo de minha vida
E que mamãe não ficou nove meses, até mais,
Engordando, pesada, inchando toda
Pra depois sentir tanta dor
E então me parir em vão
Malditos hormônios descompensados!
Ou serão as fases da Lua?
Vou comungar das idéias geniais dos autores de novelas,
Mexicanas, sim, pode ser,
Que derrubam no sofá da sala
Corpos ociosos que aguardam, ávidos, as cenas do próximo capítulo
Quero também voar de vassoura sob o céu cinza de algodão doce
É, não quero ser princesa sobre o cavalo branco
Sou uma bruxa, eu sei, eu sinto
Não sei cozinhar tão bem
Mas faço um bom macarrão
Bem molhadinho e vermelho, salpicado de pimenta do reino
E um bom mousse de maracujá pra sobremesa
O que eu queria mesmo?
É que você estivesse aqui
Pois você nunca se foi
Que diabos de bruxo poderoso é você?
Como pode me preencher assim, de mim mesma,
De vida, de nós, de você, de razões?
De onde vem essa coisa tola de me fazer sorrir produzindo um som qualquer
Em forma ora de sorriso, ora de palavras, ora de bocejo
Esfregando os olhos com as costas das mãos?
De me fazer perder meu medo-tão-característico
E meu vazio-tão-marca-registrada?
Não, não quero explicação
No fundo, eu sei de tudo
Afinal, sou uma mulher, meu amor!
O tolinho aqui é você
Que fingiu não enxergar o que havia
Além do seu umbigo, o Sol!
E saiu na chuva a procurar
Aquilo que sabe que já encontrou
Levando a capa de plástico e as botas de borracha
Sempre tão prevenido de tudo
Mesmo assim, melhor tomar um chá de canela
Prometo que não vai mais espirrar
E comprei um edredom novo!

Hospes Luna 

Contato: helgmaia@gmail.com
Veja outro artigo da autora: Bruxa Solitária
Blog da autora: Monólogo de Dois
.

2 COMENTÁRIOS

DEIXAR RESPOSTA

Por favor, insira um comentário!
Por favor, insira seu nome.