Você vê mil e um defeitos no próprio corpo, mas todo mundo é lindo e perfeito? Isso não é nada bom! Pode até não ser algum problema psicológico, mas pode tornar-se um com o tempo. Que tal cuidar disso agora? Em um exercício anterior com as ondinas aprendemos a deixar fluir os sentimentos, agora iremos aprender a amar e sentir prazer com o nosso corpo, nossas curvas – seja homem ou mulher. A propósito, esses exercícios se complementam com o exercício com as salamandras para a libido.

Toda vez que pensar numa ondina imagine uma sereia. Isso mesmo. As ondinas não tem exatamente um corpo , mas nossa mente precisa de uma forma para poder criar algum vínculo. Faça isso e é certeza de que a meditação melhorará ainda mais! A Sereia - obra de John Willian Waterhouse - 1901
Toda vez que pensar numa ondina imagine uma sereia. Isso mesmo. As ondinas não tem exatamente um corpo , mas nossa mente precisa de uma forma para poder criar algum vínculo. Faça isso e é certeza de que a meditação melhorará ainda mais!
A Sereia – obra de John Willian Waterhouse – 1901

Tudo que você vai precisar nessa meditação é uma toalha bem úmida. Se você tem sérios problemas em concentrar-se nesse tipo de exercício ( que envolve entrega aos pensamentos) beba uns dois goles de vinho – você não ficará dopado nem nada do tipo, apenas sentirá sua rigidez se diluir um pouco.

Deite-se tranquilo em sua cama ou no chão. É importante que  esteja sem camisa
, e as mulheres sem sutiã. Ponha a toalha úmida sobre o abdômen. Pronto, já pode relaxar e fechar os olhos.

Comece ouvindo o som da água. Visualize o mar, o oceano, praias, chuvas… Está ouvindo o som da água?

Nesse momento risos e sussurros começarão a surgir junto ao barulho da água. Preste atenção… Várias ondinas estão divertindo-se! Elas não vêem você observando-as! Não se aproxime… apenas veja.

As ondinas não são “perfeitas”, ou seja, não são como ditam os senhores da moda ou nossa sociedade. Cada uma tem um corpo diferente e todas elas são atraentes da sua forma. Seus cabelos não são iguais, nem suas peles, nem tamanho, nem peso. Cada uma é bela ao seu jeito.

Agora sim, agora que observou, aproxime-se.

Chame atenção dizendo “olá” de forma animada.

Talvez elas se assustem um pouco, fique tranquilo. Ponha as mãos sobre a toalha úmida e pressione um pouco toda vez que sentir que pode perder o contato. A água ali te ajudará encontrar o caminho.

Elas se aproximarão. Vão te encher de pergunta. Quando perceber estará sem roupas, como elas. Esse é momento. Abra-se. Qual o problema com seu corpo? Estrias? Peso acima ou abaixo? Sua pele? Alguma cicatriz? Qual o motivo de terem aparecido as estrias? Gravidez? Cicatriz aconteceu porque? E o peso?

Sempre podemos mudar. Sempre. Podemos fazer uma dieta mais rica ou hipocalórica para engordar ou emagrecer. Podemos suavizar marcas… mas, é isso que você precisa? De verdade? Será que se você mudar ISSO tudo vai sentir-se mais feliz? Será? Será mesmo? Converse com as Ondinas, deixe-as conduzir sua verdadeira necessidade. Elas farão você ver se de fato está descontente com o corpo ou se é apenas porque está com alguma dificuldade em encontrar um par. Se for dificuldade em encontrar alguém PARE de associar o corpo com isso! Não queira que te queiram pelo corpo, nenhum corpo pode ou não segurar um amor de verdade. Veja, quantas pessoas “belíssimas” e riquíssimas perdem seus parceiros da noite para o dia? E aquele amigo lindíssimo que perdeu a esposa que nem era tão bonita aos seus olhos? E aquela amiga belíssima, do jeitinho que a Tv gosta, foi traída e perdeu diversos namorados? E aquela sua amiga gordinha que tem o melhor relacionamento do mundo? Será mesmo que é o corpo que define uma questão amorosa?

É fácil confundir-se. Deixe abrir seu coração para as ondinas, elas farão fluir tudo dentro de você e logo perceberá qual o motivo de você não se aceitar.

Descobrindo o motivo, perdoe-se. Seu corpo é seu templo mais importante. Seu corpo é um instrumento dos deuses, do universo. Em seu corpo habita sua alma, a essência da vida! Está tudo bem fazer uma pequena reforma aqui e outra ali no seu templo, mas não queira reformar toda sua estrutura: pode desabar tudo de uma vez ou perder toda sua verdadeira essência.

Quando acabar de conversar com as ondinas – chore se for preciso, lave sua alma – despeça-se. Se for necessário volte quantas vezes desejar. Abra os olhos devagar… retire a toalha. Levante e agradeça pelo momento de atenção. Coloque a toalha para secar em algum lugar aberto.

Rosea Bellator

ATENÇÃO: A reprodução parcial ou total deste texto e imagem é PROIBIDA e protegida por LEI. Para usar este texto entre em contato com a autora.

Quer ver outros artigos? Clique nos links abaixo:

Viagem ao mundo dos Mortos – Peregrina dos Mundos
Tabela de Correspondências (pt.1): Ervas, Frutas e outras Plantas
Dieta dos Bruxos – Saúde e Magia
“Quero aprender bruxaria, quero ser bruxo, como faço?”
Recomendação de Livros
As runas das Bruxas
Feitiços
Reconhecendo símbolos parte 1
Ritual do Jardim Florido
Livro dos Mortos do Antigo Egito
A Arte da Bruxaria (Pt.7) – Introdução aos Feitiços e Rituais (Pt.1)
Magia para Receber e Enviar Mensagem

9 COMENTÁRIOS

  1. Disfarça a gafe.
    Por algum motivo celular não estava carregando todo o histórico do site, parando de aparecer posts após um específico.
    Consegui burlar esse erro e encontrei outros posts q trata de outro elementais ^^*

  2. Olá amiga Rosea Bellator, Adorei essa meditação com as ondinas! Posso fazer algo parecido para curar ou melhorar um problema de saúde? Se tiver mande pra mim ,ou então posta no facebook .Adoro suas publicações! Beijos!

DEIXAR RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here