Vladyslav Podwowinski, Frénésie, 1894, óleo sobre tela, Museu Nacional da Cracóvia.
Vladyslav Podwowinski, Frénésie, 1894, óleo sobre tela, Museu Nacional da Cracóvia.

Incubus

É no crepúsculo que me vens
É no crepúsculo que me atormentas,
Cheio de volúpia
A mim sobrepõe com doce tortura,
Cobre a minha carne adormecida
Com seu vultoso poder!
Me arrasa, me enlameia
Desfruta e desfigura minha alma,
E… tão logo a luz se aproxime…
Vai embora,
Sem nada dizer ou sussurrar.
Afinal és Anjo ou Demônio?
Não sei bem quem és,
Não sei qual sua natureza,
Só sei que me enlouquece
Me aquece todos os sentidos,
Ferve minhas curvas,
Adoça com secura meus lábios,
Me faz salubre pelos póros.
Quando perto me traz faminta,
Quando longe me sacia com um só olhar!

Anjo caído

Vejo algo em meus sonhos..
Uma luz misteriosa,
Um silêncio que me abala,
Arrepia a minha áurea pálida e ofuscada..
Acelera meu pulsar,
Me embebeda os sentidos…
Um anjo caído no leito da minha imaginação,
Suas asas feito rede me envolvem como um sepulcro,
Vai embora anjo élfico, vai embora!
Leva sua rede pra longe de mim!

Poesias da Leitora e Bruxa Ágate

Proibida a Reprodução sem Autorização da Autora

😀

Gosta de escrever poesias sobre a magia, sobre seres místicos e afins? Manda pra gente no e-mail: oficinadasbruxas.odb@gmail.com OU mande lá no nosso inbox, na página do Facebook

COMPARTILHE !
Artigo anteriorNão, Você Não Pode…
Próximo artigoRitual para Beltane: Invocando e Protegendo o Amor
Bruxa natural, sem medo de botar a cara no Sol. Sacerdotisa de Sekhmet, com orgulho. Taróloga pra todas as horas. Escritora sem vergonha, fazer o que, né? Libriana sim, mas com ascendente em Aquário, dá licença!? Aqui a conversa é fluida, sem drama, sem segredos. Bem, segredinhos só na hora de bater o tambor cazamigas! Falou em magia, já to lá! #ÉnóisQueVoa!

DEIXAR RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here